X

Lista VIP

Aguarde, enviando contato!

Por Fora da Caixa

Blog Liderança Marketing Digital

Vivendo uma imersão STARTUP WEEKEND

Mais do que desenvolver uma STARTUP, viver uma imersão de Startup Weekend é “girar chaves” nos negócios, nas conexões e na forma de se relacionar

|

Vivendo uma imersão STARTUP WEEKEND

Compartilhe :)

Vivi essa experiência muito louca, quase insana que é um evento STARTUP WEEKEND (SW) em uma edição especial (Startup Weekend Women) que aconteceu em Campinas entre os dias 24 e 27 de maio. Vou tentar te colocar dentro do ambiente em palavras.

 

...

 

Tinha tudo para ser um “evento foda” que enriqueceria meu networking, agregaria conhecimentos e experiências diferentes, mas não, isso seria fácil demais, um SW vai além.

Mas antes deixa eu te explicar, resumidamente, como funciona e porque fui ao evento (se você já souber, pule essas partes! Aliás, se “for pulando” porque não tem paciência para leitura ou tempo para tanto agora, não deixe de ler, a partir de “O TEMA ESCOLHIDO E O MAIOR ENSINAMENTO DOS ÚLTIMOS TEMPOS”, é importante ;) ) .

 

COMO FUNCIONA O STARTUP WEEKEND

 

No primeiro dia do evento, os participantes apresentam suas ideias de negócio. Em seguida, todos votam naquelas que mais se identificarem, ou gostarem. Então, os grupos são divididos entre as ideias mais votadas e a “competição” começa - ninguém compete, literalmente falando, mas no último dia do evento, uma banca de jurados avalia as Startups desenvolvidas e três são selecionadas. Os integrantes dessas ganham bolsa (e/ou desconto) em cursos, palestras e eventos.

Uma equipe de mentores e palestras no decorrer do evento nos ensina coisas como:

  • Validar uma ideia;
  • Desenvolver um modelo de negócio;
  • Criar um pitch;
  • Desenvolver um MVP (Produto mínimo viável);

Entre outros pontos que fazem parte da criação de um negócio real.

No SWW foram apresentadas 40 ideias. 12 selecionadas e então, formaram-se os grupos.

Preciso dizer que a escolha é livre, cada um faz a sua.

 

 

PORQUE EU ME INSCREVI NO EVENTO.

Bom, para quem não sabe, eu "pivotei" na carreira e estou desenvolvendo um projeto, então, me inscrevi para confirmar (e aprender) tudo que é realmente importante ao tirar uma ideia do papel e seguir em frente.

(Não resisti e tive que usar esse termo “pivotar”, é herança do evento viciar nos termos, rs. Se você não sabe, pivotar significa “buscar/testar novos rumos nos negócios”).

Nesse momento, talvez você pense: “Ah tá, então ela foi no evento, aprendeu como tirar um negócio do papel, uns termos diferentes e agora vai dar vida ao projeto dela, legal, é isso”.

NÃO, NÃO É ISSO, É MUITO MAIS QUE ISSO. (Nunca termine um raciocínio com É ISSO se você quer que seu pensamento faça sentido! rs).

Continua comigo, vem entender minha escolha, sua consequência e meu aprendizado, talvez você se identifique ou reconheça alguém!

 


RESULTADO POSITIVO É QUESTÃO DE ESCOLHA

Quer saber a verdade? Eu poderia ter saído do evento sem levar nada, nem mesmo o ensinamento dos talks, dos mentores. Tudo isso porque, não fiz a escolha que naturalmente eu faria e esse fato teve consequências que já ja voxe entenderá.

Como eu disse anteriormente, a escolha é livre, cada um faz a sua e durante as apresentações das ideias, duas se destacaram pra mim. A primeira opção, eu senti que me sairia muito bem por ter vivenciado algo parecido com a proposta e a segunda, que considerei se encaixar “no escopo” do meu projeto atual - o qual não apresentei lá por não ser um modelo de Startup. Optei pela segunda ideia.

Minha aventura começou aí, não julgo um erro, tive uma experiência que com certeza, muito provavelmente, nunca teria se não fosse ESSE EVENTO, ESSA ESCOLHA.

 

O TEMA ESCOLHIDO E OS MAIORES ENSINAMENTOS DOS ÚLTIMOS TEMPOS

Resumindo novamente pra você não resistir de mim, rs. A ideia da Startup que escolhi desenvolver poderia ser desenvolvida levando em consideração uma das duas abordagens:

  • Uma CAUSA que dá origem a um negócio;
  • Um NEGÓCIO que ajuda uma causa.

 


QUANDO O BLOQUEIO ACONTECE

Nesse momento, preciso que você me conheça um pouco, antes de contar o meu “bug”. Vamos lá:

  • Dificuldade para “compartilhar ideias e desenvolver coisas em grupo”: Não tenho, inclusive, sempre preferi trabalhar em grupo principalmente quando envolve criação;

 

  • Problema com apresentar/vender uma ideia (o tal do pitch): É superável, sou tímida, de verdade, mas quando o assunto é trabalho, finjo que não estou vendo, me preparo e só vou. É tipo aquele ditado “engata a primeira e vai”, no fim a gente freia e respira que sempre dá certo certo :) .

 

MAS TUDO ISSO SÓ ACONTECE SE EU ESTIVER CONECTADA COM A PROPOSTA!!!!

E não, infelizmente eu não estava. Chegou a hora da verdade, que aliás é o motivo que me fez escrever esse artigo grandão...

 

OU VOCÊ SE CONECTA, OU SE PERDE

Lembra que eu disse que existiam dois caminhos para trabalhar o desenvolvimento da Startup? Pois bem, o que eu enxergava era o “negócio -> causa”, o que a maioria das meninas do grupo enxergavam era “causa -> negócio”.

Seguindo a lei da vida em momento “sem necessidade de persuasão” (rs), a maioria venceu.

O que vinha a partir dali era uma forma de comunicar a mensagem e atingir o público, DIFERENTE DA QUE EU IMAGINAVA SER A IDEAL. E está tudo bem, consigo aceitar opiniões diversas. Imagine, trabalho com Marketing, “carrego” ideias e propósitos de clientes diversos, mas, a verdade é:


É difícil trabalhar uma dor que não se sente quando, além de tudo, o negócio é seu. Ali naquele momento, era um negócio meu, nosso.


E há uma realidade MUITO CRUEL nesse cenário: Tem muito empresário, Empreendedor nesse “enrosco”, tentando levar pra Frente um negócio que nem com ele, conversa, que nem ele sente a dor.

 


MEU MAIOR ENSINAMENTO OBTIDO NO STARTUP WEEKEND WOMEN

Levar para frente um negócio que não se conecta, não se comunica com a própria equipe é como carregar um peso que não faz sentido.

Eu tinha ao meu lado outras cinco mulheres (entre elas, uma que também conseguia enxergar um caminho como o meu, mas também, um caminho como o das outras).

Eu tinha ao meu redor, cinco mulheres que sentiam uma dor que eu não sentia. E aí, a questão é: Precisamos sentir o significado de uma mensagem se queremos transmiti-la.

Entendendo o negócio como MEU, eu sabia que, se quisesse transmitir uma verdade (porque é isso que dá alma a um negócio), eu precisava senti-la, mas não, eu não senti.

 

MAS E AÍ, LAIS, VOCÊ ESTRAGOU O PROJETO?

Não, rs. A Startup “nasceu”, desenvolvemos tudo como foi proposto e como eu já disse, sem discussões desnecessárias. Mas sei que, em outra situação, eu teria sido produtiva de modo diferente.

Se a Startup vai continuar e realmente acontecer no mundo real? Muito provavelmente, sim. E eu já disse à elas que tem meu apoio. Estarei aqui para desenvolver o sistema de acordo com a proposta DELAS.

PORQUE ELAS SENTEM A DOR
ELAS ESTÃO CONECTADAS COM UM PROPÓSITO
ELAS SÃO A ALMA DESSE NEGÓCIO.

Sinto muito orgulho de conhecer negócios assim, e mais orgulho ainda de ter clientes assim!

 

...

 

Viu só, um Startup Weekend vai muito além do aprendizado de “como criar uma startup”. É aprender a enxergar coisas além do que se parecem.

 

UMA VISÃO MAIS PESSOAL E "FILOSÓFICA" SOBRE O SWW

A atmosfera do evento foi tão única que, mesmo em grupo(s) formado(s) por pessoas desconhecidas e completamente diferentes, prevaleceu o respeito e a aceitação de opiniões diversas. E isso criou uma vibe tão leve que o que sentimento que fica agora é a saudade. É um carinho enorme por todos os envolvidos.

Procura no Instagram por @swcampinas e #swcampinaswomen que você vai entender melhor ainda tudo que eu disse aqui.

É uma coisa tão grandioso que CADA PESSOA que está ali, seja organização, mentores, participantes ou jurados, é uma pecinha indispensável de um dos “quebra cabeça” mais incríveis e mais firmes que se monta na vida.

...

 

Eu buguei mas já pivotei (na mente agora, rs), estou pronta pra outra e de quebra, essa experiência é um “storytelling" e tanto, rs.

Compartilhe :)

Entrar para Lista Vip

Confira mais Publicações

Que tal Comentar esse conteúdo?!